Som e Luz

Esse Festival Sem Paredes conseguiu, em todos os sentidos pelo qual era observado, impressionar e fazer-se presente de uma forma única, exclusiva e marcante. Além das bandas incríveis que passaram por Juiz de Fora, durante a noite (no sábado e no domingo), a visão do público se imiscuiu com a sua audição através das projeções do VJ Ocari.

Projeções do VJ Ocari durante o show do Aeromoças e Tenistas Russas

As noites do Sem Paredes podem sim ser resumidas em Som e Luz, em uma analogia que remonta um já acontecido festival que contou também com a excitação dos ouvidos e dos olhos.

Cores intensas e pulsações rítmicas, imagens e pequenas sequências de vídeos que representavam e faziam com que o nosso mundo deixasse se partir em cinco pra captar a realidade e misturasse as sensações auditivas e visuais em um só plano; em uma palavra: sinergia.

Quem deixou de experimentar a percepção do mundo dessa forma (posso dizer eu que estive presente), que perdeu algo único em sabor que o Sem Paredes ofereceu: um universo caracterizado pela interação.

Texto por Leonardo Lina. Conteúdo produzido pela Cobertura Colaborativa organizada pela oficina de Midialivrismo do Festival Sem Paredes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: